SABE O VERBO ADEQUAR? HUM... TENHO MÁS NOTÍCIAS...

É comum ouvir:

"Eu me adéquo a qualquer mudança."
"Ela se adéqua facilmente às novas regras."
"Uau, vocês se adéquam rápido!"

Pois bem, sejam fortes: nas formas dos exemplos acima, o verbo ADEQUAR não existe!

É verdade. O verbo adequar só se conjuga quando a sílaba tônica for do QU em diante. Por exemplo: adeQUAmos, adeQUAva, adeQUEI, adequaRÁ, adeQUOU, etc... Mas aDÉqua, nananinanão.

Como sugestão, use o verbo ADAPTAR para substituir os exemplos acima. (Nem tudo está perdido...)

11 comentários:

  1. Dessa eu naum sabia miga...eu particularmente acho que naum deveria existir verbos defectivos..deveríamos conjugar tudinho em todas as pessoas...mas eles gostam de complicar, né?

    ResponderExcluir
  2. Olá Lili,
    Pois veja só...o caso não é tão simples assim. Muitos verbos tidos como defectivos (como competir, computar, explodir, colorir) não têm a conjugação no singular apenas por sugestão de gramáticos. Como sabes, a língua é dinâmica, e hoje em dia muitos gramáticas aceitam formas que antes não se admitiam. Se consultares o Houaiss, por exemplo, verás que ele aceita as conjugações no singular do verbo do "adequar".
    abçs

    ResponderExcluir
  3. Olá, Djegosvsky!
    Concordo com você. A língua é realmente dinâmica e vai sendo moldada conforme a cultura evolui ou se modifica. Sou muito aberta quanto a essas mudanças e evoluções, mas aqui minha intenção é mostrar o padrão formal da língua e pelas minhas pesquisas, formalmente ainda não se aceita o verbo adequar em todas as conjugações. Tenho o apoio do Pasquale e da Dad Squarisi nesse ponto (risos). Pense que em um livro, por exemplo, não se encontraria a forma "eu me adéquo", por exemplo. Mas entendo essa não simplicidade a que você se refere e está certíssimo! Essa língua é uma diversão!
    Grande abraço,
    Lili

    ResponderExcluir
  4. Pesquisando na internet é possível encontrar divergência quanto a esta opinião.

    http://www.priberam.pt/dlpo/Conjugar.aspx?pal=adequar

    ResponderExcluir
  5. Eu discordo que ele não existe, se nós utilizamos todos os dias, como é que não existe? Pode uma simples regra gramatical mudar um fato? Eu posso até concordar que ele estar em desacordo com as regras gramaticais, mas a maioria delas não vale a pena sequer serem conhecidas.

    ResponderExcluir
  6. Olá, Rafael! Tudo bem por aí?
    Então... Você tem toda razão. Há regras que não mudam praticamente nada para nós. Mas, imagine que você vai escrever uma tese, um artigo para a mídia ou até um livro. Acredito que se você fosse usar o verbo adequar, sabendo agora que é um verbo questionável, você (ou seu revisor) iria atrás do que a gramática exige, não é? Minha intenção aqui é essa, mostrar o que é formal e exigido pela gramática.
    E, no dia a dia, seguimos com nossos costumes e cultura. É a mesma coisa com o pronome "você". Eu e a grande maioria fala "cê". Cê vai? Cê foi? Cê sabe que... Cê viu? Enfim, a gramática não aceita, mas falamos o tempo todo. Entretando, na hora de escrever (não sendo na internet com o vc - risos), usamos o você.

    E quanto ao post do Adauto, complementando o que você questiona, a língua vai se transformando e algumas coisas vão gerando defensores. O que eu levo em conta é a maioria dos gramáticos e a academia de letras. Mas é no que EU acredito e é o que eu busco.

    Segue um link que cita mais sobre isso:

    http://g1.globo.com/platb/portugues/2010/10/13/temas-polemicos-5/

    Um abração,

    Lili

    ResponderExcluir
  7. Lili vidal, tudo bem sim e com "vc"?
    Infelizmente ainda não chegou a minha hora de fazer teses. Embora estudante de direito, farei meu TCC na parte de filosofia pragmatista e da linguagem, mais especificamente, no neopragmatismo linguístico de Richard Rorty e não pretendo, pelo menos no momento, seguir as regras gramáticais tão a fundo.Isso seria contra as ideias contidas no meu trabalho, de antiessencialismo e, principalmente, utilidade à propósito determinados. O pragmatismo de rorty é interessantíssimo, especialmente em sua crítica a intrisicalidade e ao dispêndio de esforços humanos em metanarrativas metafísicas para tópicos que são condicionados historicamente. Com certeza, lili, "vc" adoraria. bjs

    ResponderExcluir
  8. Eu tenho o aval do Houaiss, que informa existir.

    ResponderExcluir
  9. Verdade, Jerônimo. O Houaiss não reconhece o verbo como defectivo. Ele faz isso com muitos verbos defectivos, mas eu não entendo o porquê.

    Segue um link sobre o assunto pra conhecimento.

    Abs,
    Lili

    ResponderExcluir
  10. O Houassis já morreu e não poderemos saber com exatidão o porquê desta sua decisão de considerar alguns verbos defectivos como verbos regulares. Porém, qualquer pessoa com um pouco de sensibilidade percebe que "ADÉQUA" fere os tímpanos. Esta foi a razão pela qual o verbo sempre foi considerado defectivo (sem entrar em maiores pormenores). A Língua é dinâmica, porém os sons estranhos tendem a ser rejeitados. É com tristeza que vejo muitas pessoas com terceiro grau completo falarem coisas desta ordem. A desculpa agora é: - O Houassis me autoriza a falar assim! Mas até onde eu sei o Houassis sempre foi atuante na lexicografia e não como excelente gramático. Prefiro ficar com os gramáticos e com os sons mais harmônicos, do que ser pseudo moderno e usar o Houassis como muleta! Parabéns a este blog!
    Capt. Gottlieb

    ResponderExcluir
  11. Captain, o nome é HOUAISS e não HOUASSIS

    ResponderExcluir